Como aproveitar um dia em Jacarta

19 a 21/03/2019

Saímos do Brasil às 18:45. Depois de 11 horas de vôo, fizemos um stop-over de 9 horas em Frankfurt na Alemanha. Nosso vôo partiu às 19:15; foram mais 10 horas de vôo até chegarmos em Pequim. Aqui a escala foi mais rápida (3 horas) e partimos no vôo das 14:55 rumo a Jacarta. Depois de 3 longos vôos, o avião da Air China pousou em Jacarta às 21:15.

Uma das primeiras coisas que fiz antes de embarcar no Brasil, foi baixar os aplicativos de transporte Grab e GOJEK (moto-taxi e carro). Foi um pouco difícil de achar o ponto de encontro do Grab – depois de alguns minutos perambulando pra lá e pra cá, trocamos 50 dólares, e descobrimos que no próprio aplicativo tem as instruções para encontrar o ponto de encontro do Grab. Basta selecionar o terminal que você está (o aeroporto de Jacarta possui 3 terminais), e seguir as instruções de acordo com o terminal em que você está.

Nós estávamos no Terminal 3; bastava sair pelo west lobby e ir até o parking building, que fica do lado do aeroporto. No canto direito tem a placa do Grab no local exato onde você deve esperar.

É normal em algumas cidades (principalmente as maiores) o motorista solicitar o pagamento do estacionamento e do pedágio (além do valor do app), mas normalmente eles avisam antes mesmo de sair com o carro. É possível selecionar o tipo de pagamento no momento em que você está solicitando o taxi – nós pagamos tudo em dinheiro.

Chegamos bem tarde no nosso hotel, que ficava a 2 minutos da Pasar Baru (night Market); depois de alguns minutos eles encontraram nossa reserva e subimos para o quarto.

O hotel era bem ruim; o quarto não estava tão limpo e tinha muito cheiro de cigarro, mas estava bem perto da Mesquita e do Monumento Nacional. Tirando o benefício da localização, achamos que não valeu a pena se hospedar lá.

22/03/2019

Tomamos nosso primeiro café-da-manhã na Indonésia: muita pimenta, arroz e outros alimentos que normalmente comemos somente no almoço ou jantar, no Brasil.

Reservamos um dia inteiro para explorar Jacarta, e nossa primeira parada foi a mais ou menos 20km do hotel, no Taman Mini Indah, um parque que representa as 26 províncias da Indonésia através de pavilhões que replicam a arquitetura, roupas, danças e tradições de cada uma destas regiões. Além disso, você pode visitar os museus e andar de teleférico para ver o mapa da Indonésia no lago central – é necessário pagar um valor adicional para estas atividades, além do valor do ingresso no parque.

Fomos de Grab, e assim que nós chegamos, vários moto-taxis vieram nos oferecer carona. Ficamos meio desconfiados e até com receio, achando que a caminhada pelo parque seria extensa. Por sorte o Felipe viu o Information Center, e resolvemos entrar lá para entender melhor a dinâmica da visita.

Uma aluna em treinamento nos atendeu, e explicou que o moto-taxi não faz parte da estrutura do parque, e que não era necessário nenhum meio de transporte (nem bicicleta) pois a caminhada de ida totaliza 1,6km – ou seja, no total, caminharíamos 3,8km. Recebemos também um mapa onde eles nos ajudaram a localizar os principais pavilhões, que representam Bali, Java, e outras regiões mais populares para os turistas.

Ficamos a manhã toda por lá, e foi bem interessante. Não acho que seja algo imperdível, mas se tiver tempo vale a pena conhecer pois é um lugar bem fofo, com muitas árvores ao longo do caminho que facilitam a caminhada no calor escaldante de Jacarta.

Foi aqui que descobrimos que principalmente os muçulmanos adoram tirar foto com turistas. No começo foi meio estranho, pois todos eles paravam a gente no meio da rua e ficavam desesperados querendo tirar foto. Perguntei sobre isso para uma moça que trabalhava lá, e ela explicou que eles fazem isso pois nós (turistas) somos muito diferentes deles, e por isso eles gostam de tirar foto – é muito curioso pois eles colocam até as crianças para sair na foto com a gente.

Pedimos o Grab para voltar, e descemos no Monumento Nacional. É visto como um símbolo super importante da luta da Indonésia pela independência; a visita é de graça.

Dali caminhamos aproximadamente 1,2km até a Istiqlal Mosque: mesquita que também foi construída para comemorar a independência da Indonésia, sendo a maior mesquita no sudeste da Ásia e a terceira maior mesquita sunita em termos de capacidade. Eles são bem criteriosos antes de permitir a entrada na Mesquita; a parte superior do corpo das mulheres precisa estar 100% coberta, e eles fornecem uma roupa para aqueles que não vão preparados. A visita e o aluguel da roupa são de graça, eles somente pedem uma doação antes de você deixar o local.

Caminhamos mais 1km até a Pasar Baru, local onde fica um Art Market, mas infelizmente ele só fica mais agitado a noite, e precisávamos nos preparar para nosso vôo mais tarde.

Aqui a gente tomou uma péssima decisão: não trocamos mais dinheiro, contando com a possibilidade de fazer isso na próxima cidade – cagada! No relato de Raja Ampat explico melhor sobre isso.

O trânsito em Jacarta é bem complicado, então decidimos chegar no aeroporto por volta das 18 horas para não termos problemas com horário. Pegamos bastante trânsito, então foi bom sair cedo. Nós não almoçamos e decidimos comer qualquer coisa no aeroporto…pedimos uma comida no KFC, a mais apimentada do mundo…quase não dava para comer!

Nosso vôo saiu às 22 horas de Jacarta, e aqui já foi nossa primeira emoção com o drone – o Felipe esqueceu ele na sala de embarque…teve que sair correndo do avião para buscar haha felizmente deu tudo certo…por enquanto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s