Coron, o isolamento perfeito

04/04/2017 – Boracay > Coron

No nosso último dia em Boracay, tomamos o café-da-manhã do hotel e caminhamos pela praia. Arrumamos a mala e logo já era hora de partir.

No check-out do hotel, pedimos na recepção por um triciclo, que nos levou até o porto. Lá pagamos novamente a taxa do terminal antes de pegar o barco. Do outro lado é possível ir caminhando do porto até o aeroporto, que é super pequeno. Almoçamos em um restaurante bem simples, e passamos por uma experiência bem esquisita – pedimos um prato chamado Boneless Crispy Pata…era carne de porco e parecia bem gostosa, até que tivemos uma bela surpresa…dentes!!!

Enquanto a gente pesquisava sobre a nossa viagem, encontramos somente 2 maneiras de chegar a Coron: com o navio da 2Go Travel (viagem de 15hs) ou um vôo da Cebu Pacific com escala em Manila – ambos tornariam a logística da nossa viagem muito mais complexa. Por sorte descobri a Air Juan: uma cia. aérea particular que tinha vôos diretos para algumas localidades mais distantes. A diferença no valor das passagens era muito baixo, e vale super a pena pois é muito rápido! Nosso vôo com destino a Coron saía no início da tarde de uma pista particular do outro lado do aeroporto Caticlan. O avião tinha assento para oito pessoas, e foi uma experiência muito legal. Antes de embarcar foi necessário pagar a taxa do aeroporto. O vôo durou 40 minutos e foi muito tranquilo.

Saindo do aeroporto você já vê várias vans; não deu tempo de procurar outro meio de transporte, pois um rapaz disse que o próprio hotel oferece esse serviço de transfer – ele só esqueceu de avisar que era pago (descobrimos isso no check-out do hotel). Então antes de embarcar em vans, acho que devem ter triciclos que fazem a viagem por um preço mais camarada. Em meia hora ou até menos, estávamos no hotel. Ficamos hospedados no Coron Bancuang Mansion – fomos recebidos com um drink de boas-vindas, e ficamos em um quarto super pequenininho perto da recepção…achamos ele meio estranho, mas tem piscina, ar condicionado, tv e internet era boa – o ruim mesmo é que no quarto não tinha frigobar.

DCIM100GOPROGOPR0404.JPG
Hotel Coron Bancuang Mansion

Saímos para caminhar e conhecer o centro da ilha. Tudo lembrava um pouco Luang Prabang no Laos. Tomamos cerveja em um lugar bem gostoso, depois jantamos e voltamos no hotel pra fechar o island hopping do dia seguinte. Resolvemos dormir…

 

05/04/2017 – Coron

Por volta das 5AM o Felipe começou a escutar um barulho bem esquisito no quarto…tínhamos um roedor dividindo o quarto conosco! Chamamos o guardinha, que matou o ratinho; mas pedimos para mudar de quarto. O pessoal da recepção disse que ia checar o que era possível fazer enquanto estivéssemos no tour. Tomamos o café e esperamos a van nos buscar para levar até o ponto de partida.

A van nos buscou super atrasada, e quando chegamos no porto ainda ficamos mais de 1 hora esperando pois eles ainda buscariam um grupo que se juntaria no barco com a gente. A gente já passou por coisas parecidas em todas as nossas viagens para a Ásia, e o segredo é permanecer calmo pois hora ou outra as coisas vão dar certo. Enquanto a gente esperava, um rapaz nos abordou oferecendo um tour privado pelo mesmo preço que o barco que pegaríamos em grupo, só não tinha o almoço incluso. Neste meio tempo conhecemos um casal de Argentinos, a Vicky e o Julio, que a partir dali se tornaram nossa companhia de viagem 😊 – então decidimos seguir com o barco privado e cancelamos com a agência que nos fez esperar.

O tour foi sensacional, só nós quatro no barco e o fato de termos saído bem depois de todos os outros, fez com que todos os pontos de parada estivessem vazios e fossem exclusivos pra gente! O barqueiro deixou a gente escolher 4 paradas, entre 10 – mais por causa do horário – então passamos pela Twin Lagoon, Barracuda Lake, Reef Garden e Atwayan Beach.

No retorno, paramos em uma agência e fechamos junto com a Vicky e o Julio o tour para o dia seguinte – o roteiro tinha o nome de Tour Escapade. Caminhamos um pouco no centro, experimentamos um crepe de queijo doce (bem ruinzinho rs), e seguimos até o hotel a pé. Por conta do “incidente” da madrugada, eles nos trocaram de quarto – um quarto bem maior, mas que ficava no quarto andar. A vista era linda mas como não tinha elevador, as escadas eram de matar. Saímos para jantar, e logo voltamos para dormir pois além do calor, estávamos bastante cansados.

 

06/04/2017 – Coron

Tomamos o café-da-manhã, que não estava incluso na diária, e esperamos pela van – e claro, ela nunca chegou. Fomos a pé até a agencia, e eles correram atrás para nos colocar logo em um barco. Nós avisamos sobre a Vicky e o Julio, para garantir que eles não fossem esquecidos; minutos depois eles apareceram pois também foram esquecidos rs. A viagem de ida é de 2 horas no barco, mas compensa demais! Primeira parada foi na ilha Bulog, depois almoçamos na Banana Island, e seguimos enfim para a Macapuya Island.

Voltamos para Coron, e combinamos de jantar com nossos amigos argentinos. Eles descobriram um restaurante um pouco acima do nosso hotel muito bom, chamado Kawayanan Grill – tomamos muita cerveja e comemos uns pratos sensacionais lá.

 

07/04/2017 – Coron

Os tours são sensacionais, mas confesso que a gente estava bem cansado neste dia, então resolvemos ficar na piscina no hotel e explorar a cidadela.

Tentamos negociar com um triciclo pra ir até Kabo Beach, mas o melhor valor que conseguimos foi de PHP 400 porque o triciclo fica no local esperando para trazer os passageiros de volta. Só que encontramos um lugar onde o aluguel da moto por 2 horas era de PHP 250 então alugamos e seguimos até a praia. São 7km do centro e parte da estrada é de terra mas é bem tranquilo de chegar lá; Kabo Beach é uma praia simples, eles cobram uma taxa de entrada de 50 pesos e tem pouca gente – conversamos bastante com alguns filipinos que estavam passando as férias em Coron…foi uma ótima experiência.

Devolvemos a moto e depois nos encontramos com nossos grandes amigos Vicky e Julio para jantar. Eles também ficaram pela cidade pois o Julio estava praticamente com insolação coitado, de tão queimado que ficou do tour do dia anterior. Eles iam ficar um dia a mais em Coron, mas nos encontraríamos em El Nido em seguida; então esse foi nosso jantar de despedida, e como sempre estava tudo muito gostoso.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s